sábado, 27 de setembro de 2008

Nunca te vi, sempre te amei


Hoje o dia amanheceu mais triste. Essa noite se foi Paul Newman, aquele que nunca tinha visto, mas sempre amei. Não vi os clássicos "A Cor do Dinheiro"e nem "Butch Cassidy", grandes filmes de sua carreira. Aos 83 anos, ele morreu, vítima de câncer. Digo que nunca tinha visto, porque embora sempre o tenha achado o homem mais bonito do cinema, apenas recentemente vi o primeiro filme com ele. Seus indefectíveis olhos azuis me seduziram ao primeiro olhar em "The Hudsucker Proxy", filme de 94 lançado no Brasil como "Na Roda da Fortuna". Além de lindo, ele continuava engraçado, bom ator e ativo, já que seu último trabalho foi no desenho animado "Cars", lançado em 2006. Era, talvez, a última lenda hollywoodiana viva. Para mim, além da saudade, fica a lembrança de uma beleza que não foi datada, ao contrário de muitas que vemos por aí. Se olharmos uma foto dele daqui 10, 30, 50 ou 100 anos, vai continuar sendo um sex simbol.

2 comentários:

Alexal disse...

Amo Paul Newman. E sim, era o homem mais bonito do cinema!

Igor disse...

Eu gosto de um antigão de 66, filme de presidiário tipo Sessão da Tarde, mas muito bacana: Cool Hand Luke (Der Unbeugsame), onde o Paul come 50 ovos cuzidos em 60 minutos. Yeah! Recomendo pras menininhas tietes que querem pegar ele um pouco mais jovem. Não um clássico como Papion, com o Dustin, mas na mesma linha.