quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Pose de superstar


Tô adorando o visual superstar que a Drew Barrymore adotou desde o Globo de Ouro. É engraçado, pois no gosto de turquesa e nem desse tipo de decote, mas acho que ela está linda. Os cabelos, o make e o sorriso concentram minhas atenções. Isso sim é atitude fashion: pegar um monte de coisa meio nada ver e chegar a um resultado desses.

Pelo amor de nossos pés


Estou aqui de dedos cruzados torcendo para que esse sapato Stuart Weitzman da Katie Holmes não indique nenhum retorno do bico fino e tenha sido apenas uma escorregada fashion.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Faltava ela


Tenho falado tanto da Kate Winslet, mas tanto, que estava com preguiça de comentar o look dela na cerimônia do Golden Globe. Mas justo na noite que ela abocanhou dois prêmios, eu não poderia deixar em branco. Aqui está ela, em foto com Leonardo Di Caprio, que nã está deixando estrela nenhum brilhar sozinha. Em todas as fotos, lá está ele junto. O vestido preto, embora corretíssimo, me pareceu coisa de quem não esperava levar um prêmio para casa e posar para tantas fotos oficiais. Um pouco girl-next-door. Gostei do cabelo, do make, a ausência de jóias pesadas. É chover no molhado, mas ela segue como uma das minhas favoritas.

Cada macaco no seu galho

video

É comercial de cerveja e, como sempre, tende a ser machista. Mas é uma delícia e eu me emocionei só de me imaginar no espaço delas. Thanks, Jo.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Madeixas


Angelina Jolie deve ser leitora do blog, pois enfim ela ouviu nossas preces e prendeu os cabelos. Não achei que ficou um espetáculo, mas já está bem melhor, assim como o terninho branco. Foi assim que ela surgiu ao lado de Brad Pitt na estréia do filme dele, O curioso caso de Benjamin Button, em Berlim.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

A encheção Gisele


Entra ano e sai ano e é a mesma coisa: chega a temporada de moda e a alguma marca insiste em trazer a Gisele Bundchen, nos últimos anos, a Colcci. Não estou questionando a estratégia da empresa e tal. Se continuam trazendo, é porque vale a pena e é financeiramente rentável. Mas o que já deu é o esquema de sempre: ela chega, todo mundo comenta as poucas exigências da moça, ela faz a sessão de fotos, que invariavelmente vaza na Internet, aí vai para o desfile, que faz uma operação de guerra para acalmar os mais afoitos. E a gente é obrigado a ver fotos dela em todas as primeiras páginas seguidas pela clássica "o furacão Gisele". A festa pós-desfile é sempre super-ultra-fechada e ela chega com horário marcado, direto para seu espacinho VIP, que aliás deve ser um inferno, afinal, ir a uma festa e não conversar com as pessoas deve ser muito chato. Tão chato, mas tão chato, que ela vai embora 45 minutos depois. Sempre. Aí, o dia seguinte, é sempre uma foto com ela na mesma pose a que vaza. Peço encarecidamente que se alguém conhecer a moça aí de cima, diga a ela que esse "paz e amor" já deu.

Nas alturas


Pelo pouco que vi da temporada de moda no Brasil, a cintura alta voltou com tudo. Agora a gente só precisa entender quem, com menos de 1.75 cm, segura uma dessas. Tenho a sensação de que elas fazem o quadril parecer maior e o culote saltar aos olhos. Não é o caso das fotos acima por razões óbvias, mas proponho vocês contarem quantas meninas vão conseguir ficar elegantes entre as que cruzarem o caminho de vocês nos próximos meses.

Jamal, meu herói





Dev Patel e Freida Pinto, em Slumdog Milionaire, e Leonardo Di Caprio, em Revolutionary Road

Até quinta-feira, vou roer todas as unhas esperando a lista de indicados ao Oscar, mas desde já tenho meu favorito: Slumdog Milionaire. E olha que digo isso logo depois de ver Revolutionary Road, que eu acreditava ser o melhor. Jamal Malik, o menino que disputa os US$ 20 milhões no drama indiano, é de longe meu personagem favorito. Não que tenha sido uma memorável atuação. O grande lance é a trajetória do menino na suja, cruel e pobre Mombai. A trilha sonora também tem um papel muito além de som de fundo no filme de Danny Boyle. Voltando ao outro filme da noite, Revolutionary Road, sinceramente esperava mais dessa crítica à família americana. Kate Winslet está bem e certamente muitas mulheres vão se ver em seu personagem, mas Leonardo Di Caprio sim está muito bem. Ele mostra-se um ator completo e maduro, capaz de interpretar um pai de família comum cujas emoções são apenas seus dramas particulares. E mesmo assim faz muito bem. Ainda não sei se é páreo para Sean Penn, mas que deixa o Brad Pitt comendo poeira, isso deixa.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Elegância demasiada



No Golden Globe, com o Di Caprio, e ao lado de Kate Hudson
Não sei se é o cabelo ou se ela está magra demais, mas o fato é que estou cansado do look fina e elegante da Anne Hathaway nas campanhas de divulgação do novo filme com a Kate Hudson, Bridewars. Parece que o rosto está mais fino e os traços perderam a delicadeza. O que vocês acham?

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

O acessório da Demi Moore


A pedidos, uma foto do Ashton Kutcher.

Fashion Globe














Pois ontem foi um grande dia para quem gosta de moda. O Red Carpet do Golden Globe só perde em glamour para a cerimônia do Oscar, mas cumpre todos os rituais da cerimônia principal. Aliás, para alguns, é até mais interessante, por incluir as estrelas da TV. Não é meu caso, mas nem por isso deixo de fazer minhas apostas. Exceto um ou outro, os resultados não me surpreenderam. Slumdog Milionaire, inspirado na indústria de cinema da Índia, foi o grande vencedor, mas nos eventos anteriores não tinha sido diferente, portanto... Kate Winslet finalmente teve a tardia, mas merecida glória, considerando seu grande número de indicações anteriores. Mickey Rourke, o ator canastrão de 9 1/2 semanas de amor, levou a melhor na categoria ator e isso sim foi um choque. Mas ainda não vi seu The Wrestler, então pouco posso falar. Sobre o que poderei falar com propriedade é do Red Carpet. No quesito ousadia, não tem para ninguém: Jennifer Lopez e seu Marchesa dourado e super decotado de quem não tem medo de ser feliz foram campeões. Errou a dose, mas era a cara dela. Drew Barrymore ousou no cabelo e no make e eu adorei, mas embora o vestido fosse bonito, achei romântico demais para o resto do look. Mas ao subir as fotos aqui, achei que a combinação ficou interessante. Cameron Diaz de rosa estava bonita, mas poderia ter feito um cabelo menos acabei-de-sair-da-praia. A combinação pele morena, vestido branco e jóias turquesas da bombshell Eva Mendes me impressionaram, assim como a semelhança da Megan Fox com a Angelina Jolie nos áureos tempos. Por falar nela, a produção era de quem estava atravessando da sala para o quarto da casa dela, de tão blasé. Francamente, se você está disposto a concorrer a um prêmio, se dê ao menos o trabalho de caprichar e levar a festa a sério. Ao menos não ganhou, assim fomos poupados de vê-la no palco com o vestido túnica, make sou-linda-não-preciso-de-nada e os cabelos soltos. Anne Hathaway também me decepcionou. Achei que a combinação vestido/cabelo deixou-a magrinha demais. Passou da linha da elegância. Demi Moore estava linda como há tempos não a via. Os cabelos soltos, nesse caso, combinavam com o resto da produção. E principalmente com a companhia ao lado, que para muita gente, foi um dos acessórios mais cobiçados da noite.

domingo, 11 de janeiro de 2009

Restaurante fechado para almoço

Acredito que todas as cidades têm coisas boas e ruins, umas mais, outras menos. Hoje, cheguei à conclusão de que os horários de restaurantes aqui em Miami definitivamente não ajudam a somar os pontos positivos. Por volta de 1h fomos conhecer a Fogo de Chão em South Beach. Qual não foi nossa surpresa quando chegamos lá e, em pleno domingo de sol, a churrascaria estava fechada. O manobrista do restaurante vizinho nos avisou de aos domingos, é assim: só a partir das cinco. Não é só em Portugal que essas coisas acontecem.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Injustiça Fashion


Não sei qual é o meu problema, mas há meses estou em busca de um tênis de sair e não encontro nada que eu gosto. Quando digo "tênis de sair", não me entendam mal: não estou falando do último modelo de um Nike Shox. Aliás, não gosto nada da combinação calça jeans e tênis esportivo. Segundo o Saulo, meu marido, esse é um jeito fácil de identificar brasileiras mundo afora: jeans boot leg (aquele que é justo da coxa e mais largo embaixo) da Seven ou da Diesel e Nike Shox nos pés. Chicas, queridas, guardem esse tênis para a academia. Para combinar com um jeans, prefira um All Star. No meu caso, fica mais complicado, pois acho All Star desconfortável, então se o objetivo é ser mais confortável, não resolve. Queria um tênis para o dia que estou com preguiça de colocar sapato ou então para viajar sem parecer desarrumada. Porém, todos os que eu gosto são modelos masculinos, que não são fabricados no tradicional 37 brasileiro. Para não dizer que não gosto de nada, gostei desses acima, da Puma com design assinado pelo Alexander McQueen. Se eu estivesse disposta a pagar US$ 250, ok, questão resolvida, mas não é o caso. Então sigo minha busca. E continuo viajando de salto alto.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

And the Oscar goes to...




Estou contando os dias para o anúncio dos indicados ao Oscar. E enquanto isso, tenho feito a lição de casa assistindo aos concorrentes, para ser mais justa nas minhas escolhas. Dos prováveis indicados ao melhor filme, meu favorito até agora é Milk. Gostei do Benjamin Button e acho-o forte concorrente, afinal, o ingrediente fantasia cai muito bem para a Academia. Clint Eastwood, que vem com dois grandes filmes, deve ocupar uma posição entre os indicados com Changeling, com Angelina Jolie como grande estrela. Grand Torino não deve fazer o mesmo sucesso, afinal o tema de imigrantes chineses não tem o apelo de uma true history, mas só o fato de contar com o diretor em seu cast é um grande feito. Doubt foi minha grande decepção até agora. Maryl Streep e Phillipe Seymour Hofmann são dois dos melhores atores de Hollywood, mas o resultado final, para mim, deixou muitas dúvidas. O filme conta a estória dos conflitos entre uma freira e um padre em uma escola primária. O problema, para mim, é que muitas coisas ficaram implícitas e por isso, as razões para a bronca dela ficaram gratuitas demais para mim. A mensagem é mais ou menos porque ela era amargurada e ele era feliz, mas isso justificaria tantas brigas? Não para mim. Ainda tem o Revolutionary Road, que tem toda a pinta de que vai me acertar em cheio. Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Retrô 2008








Carla Bruni, que elegantemente abandonou os saltos para não constranger o marido, centímetros mais baixo, o chapéu de Sarah Jessica Parker, Cate Blanchett, Natalie Portman, que mais parecia levitar com esse vestido branco e, por fim, o macacão da Katie Holmes

No ano em que Beyonce ficou loira, Victoria Beckham aboliu o corte que fez a cabeça das americanas, Gwyneth Paltrow ficou sarada e a Li-Lo assumiu o romance lésbico, quem atraiu todas as atenções nos tapetes vermelho foi Anne Hathaway. Katie Holmes e seu musical na Broadway não ficou para trás, mas ela definitivamente perdeu seu posto de star fashion, para enfim ganhar algum respeito profissional (um Tom Cruise no currículo dificultou bastante a tarefa, mas fazer o quê?). Já na vida real, Carla Bruni disputa com Michelle Obama de primeira dama fashion. Eu, que nunca concordo com as tradicionais listas de fim de ano, resolvi fazer uma própria, que certamente trará uma série de discordâncias, mas vamos lá:

1. Melhor vestido: Natalie Portman e seu Givenchy branco em Cannes;
2. Grávida mais bonita: Cate Blanchet deixou Angelina Jolie comendo poeira;
3. Melhor transformação: Kate Winslet, que nem de longe lembra a mocinha do Titanic;
4. Criança mais fofa: Alguém discorda que o posto é da Suri?
5. Look mais bizarro: Katie Holmes, sorry, mas esse seu macacão não está com nada;
6. Elegância: Não rolou para Michelle Obama e Carla Bruni segue na liderança. Mas também fica difícil competir com a ex-top model, alta, magra, linda, cantora de sucesso e primeira dama francesa;
7. Casal mais chato e sem sal: Brangelina, sempre;
8. Acessório mais polêmico: chapéu de Sara Jessica Parker, em Londres
Outras contribuições são bem-vindas. Quem se habilita? Quando sobrar energias, faço a retrospectiva cultura.